Hábito nutricional saudável

O alimento é condição essencial para a manutenção da vida. Uma boa alimentação é a garantia do funcionamento normal do organismo - o que influi, diretamente, na longevidade, na resistência a doenças, no aumento da capacidade física de trabalho e no bem-estar físico e psíquico. Resumindo: melhora a qualidade de vida.

Uma boa alimentação é aquela que apresenta quantidade suficiente de nutrientes, qualidade adequada para satisfazer as necessidades do organismo, harmonia entre os nutrientes guardando o equilíbrio entre qualidade e quantidade e ainda precisa ser adequada às diferentes fases da vida. Seu médico pode sugerir que você procure um nutricionista, que o ajudará com sua alimentação e selecionará alimentos saudáveis que você goste.

A dieta deve ser individual para cada caso, tentando sempre manter o seu estilo de vida. Consiste basicamente em uma alimentação balanceada, livre de álcool e de cigarros, baixa em gorduras, livre de alimentos industrializados que contenham aditivos e corantes dando mais valor aos alimentos frescos e naturais.


A Composição do alimento

O alimento é formado por nutrientes que indicam sua composição química. São eles: proteínas, carboidratos, lipídios (gorduras), vitaminas, sais minerais, fibras e água. Não existe um alimento que sozinho possua todos os nutrientes para suprir as necessidades do organismo. Por essa razão, é importante consumir vários alimentos distribuídos - em três ou mais refeições ao dia para garantir o suprimento de calorias e todos os nutrientes ao organismo.

As necessidades calóricas variam de acordo com o sexo, idade, estatura, atividade física e estado fisiológico (se apresenta problemas de saúde como Hepatite). Portanto, cada individuo necessita uma quantidade diferente..


Dicas de uma boa alimentação

Na prática, pequenas alterações nos seus hábitos transformam-se em uma alimentação adequada. O esforço vale a pena, afinal, trata-se de sua qualidade de vida.

  • Para preservar o valor nutricional do alimento, é preciso adquiri-lo fresco, armazená-lo corretamente, utilizar, sempre que possíveis cascas e talos e cozinhar tudo no vapor para diminuir a perda dos nutrientes.
  • Elabore o cardápio das refeições com base indicada na pirâmide, procurando variar ao máximo as preparações.
  • Quando elaborar o cardápio e montar o prato da refeição, faça com que a preparação tenha, pelo menos, cinco cores: branca, verde, vermelha, amarela ou laranja e marrom.
  • Opte também por alimentos com várias texturas: macia, dura ou crocante, já que estimula os músculos da face.
  • Para "abrir" o apetite, além do colorido e da textura dos alimentos, deixe-os com sabor e cheiro agradáveis. Use temperos verdes e condimentos naturais evitando temperos industrializados.
  • Inclua na alimentação uma laranja com bagaço, o que garante a cota de fibra diária.
  • Inclua, também, pelo menos duas porções de verduras frescas ao dia.
  • Mastigue bem os alimentos: a salivação e a trituração do alimento é o primeiro passo para uma boa digestão.
  • Tome liquido fora do horário das refeições. Bebendo durante o almoço e o jantar, o estomago dilata-se e, muitas vezes, o volume de alimentos consumidos deixa de ser o ideal, provocando gases, desconforto abdominal e até úlcera gástrica.
  • Consuma sempre que possível as gorduras boas: azeite de oliva extra virgem, óleo de canola, semente de linhaça triturada, abacate, peixes (salmon, sardinha, atum, tainha), oleoginosas (catanha-do-Pará, nozes, castanha-do-cajú) não exagere nas porções mesmo sendo gorduras boas são calóricas.
  • Aumentar o consumo de alimentos ricos em fibras: pão integral, arroz integral, macarrão integral, cereais etc.
  • Faça sucos com frutas frescas e beba bastante água durante o dia

Evitar o consumo de:

  • Frituras em geral: batata frita, salgadinho etc.
  • Embutidos: lingüiça, salsicha, presunto gordo, salame, mortadela, bacon, etc.
  • Alimentos que contenham gorduras trans: sorvete de massa, biscoito recheado, waffer, folhados, croissant, etc.
  • Leite e derivados integrais: leite integral, queijos amarelos, creme de leite, etc.

Alimentação e Hepatites Virais:

Alimentar-se corretamente sempre foi um problema importante para o paciente com doença hepática. Uma particular atenção dedicada a tal aspecto deriva da errada consciência de que existem alimentos danosos ao fígado.


É bom resgatar alguns conceitos:

  • As bebidas alcoólicas são danosas para o fígado. Nos indivíduos com hepatite viral crônica, a associação com o álcool pode determinar um agravamento rápido da doença e evolução para cirrose.
  • Os pacientes com hepatite crônica viral que fazem uso de bebida alcoólica no decorrer do uso da medicação antiviral têm menor possibilidade de responder à terapia e erradicar a infecção.
  • Entre os eventuais alimentos da nossa dieta, não existe alimento que tenha capacidade de danificar o fígado, não há limitação na escolha dos alimentos.
  • No curso da terapia, inapetência (falta de apetite) é um sintoma muito freqüente. Os pacientes perdem peso e é possível instalar uma condição de má nutrição. É aconselhável uma alimentação variada sem restrições, possivelmente fracionada (número maior de refeições).
  • A dieta deverá ser equilibrada, contendo alimentos frescos, como: frutas, legumes e verduras (ricas em vitaminas e antioxidantes) principalmente brócolis, couve manteiga, espinafre, rúcula, agrião, chicória, repolho, couve-flor, rabanete, nabo, inhame, batata, tomate, salsão, berinjela, cenoura, broto de alfafa, beterraba, etc.
  • Consumir sempre sucos de frutas naturais como: suco de uva, amora, laranjas lima, da pérsia, suco de maçã, goiaba vermelha, limão batido com a casca, acerola, kiwi, morango, manga, etc.
  • Consumir ervas e temperos naturais, cebola, alho, salsa, coentro, manjericão, orégano, gengibre, sálvia, açafrão, canela, cravo, etc. Não utilizar temperos industrializados.
  • Aumentar o consumo das fibras, farelo de aveia, farelo de trigo, farelo de arroz, germe de trigo, etc.
  • Preparar os alimentos na forma cozida, assada e grelhada. Evitar as frituras, já que os pacientes com hepatite são pouco tolerantes a alimentos gordurosos.

Lembre-se de que sua saúde vai depender de hábitos nutricionais saudáveis.


Durante o tratamento

Está comprovado que uma dieta alimentar equilibrada pode ser um fator preponderante para diminuir os efeitos colaterais dos medicamentos, pois tudo o que comemos deve passar pelo fígado para ser metabolizado. Uma das recomendações para quem se encontra em tratamento da hepatite C é manter uma dieta alimentar saudável, ingerindo alimentos com mais carboidratos, pois ofereceria as calorias necessárias e, ao mesmo tempo, manteria o peso. É normal que o tratamento possa fazer com que as pessoas percam apetite. Portanto seria conveniente fracionar de cinco a seis refeições diárias. Tomar bastante líquidos. E sempre que necessário consultar-se com um nutricionista.

Se tiver náusea durante o tratamento

  • Não deixe de comer. Não só porque seu corpo precisa de alimento, mas também porque seu estomago estando vazio, pode piorar a náusea.
  • Faça pequenas e freqüentes refeições. Se possível a cada duas horas ou três horas como alguma coisa, deixando a maior quantidade de alimento para quando você estiver se sentido melhor;
  • Escolha alimentos não gordurosos, condimentados ou muito doces.
  • Evite frituras e bebidas gasosas;
  • Prefira alimentos frios aos quentes;
  • Ao acordar, coma alimentos secos como: torradas, biscoitos de água e sal ao acordar;
  • Não beba líquidos ao mesmo tempo em que você estiver comendo. Ingira líquidos uma hora antes ou duas horas depois das refeições;
  • Após as refeições, se você quiser descansar, sente-se ou deite-se com a cabeça bem mais alta que os pés.

E depois do Tratamento?

Dicas Importantes:

1) Alguns indivíduos tratados respondem à terapia: as transaminases se mantêm normal em 1 ano e o vírus não é mais evidenciado no soro. (HCV-RNA persistentemente negativos). Salvo algumas raras exceções, esses indivíduos podem ser considerados "curados".

2) Em um outro grupo de indivíduos, as transaminases tornam-se normais e o vírus desaparece no decorrer da terapia, mas com a sua suspensão, há recidiva da doença. Neste grupo, após reavaliação pode existir a perspectiva de um novo tratamento.

3) Existe, enfim, um amplo grupo de pacientes que não respondem à terapia. Atualmente, para esses indivíduos não existe alternativa terapêutica eficaz e a execução de um novo ciclo terapêutico é inútil. É importante continuar o acompanhamento, manter os hábitos saudáveis e seguir corretamente as orientações, para ter a possibilidade de futuros tratamentos. (novas drogas em pesquisa).

A história da hepatite C nem sempre é previsível, o tratamento pode influenciar na evolução da doença, mesmo quando não se obtém a "cura".

Você pode colaborar:

  • Avalie em conjunto com o seu médico, o melhor m mento para iniciar o tratamento antiviral;
  • Conheça os possíveis efeitos colaterais das medicações e como amenizá-los;
  • Siga corretamente o tratamento;
  • Não use drogas e/ou bebidas alcoólicas;
  • Tenha hábitos alimentares saudáveis.
A resposta ao tratamento também depende de você.

Referências

  1. Albertino F, Gatta A, Amodio P, Merkel C, Di Pascoli L, Boffo G, Caregaro L. Nutrition and survival in patients with liver cirrhosis. Nutrition 2001;17:445-50.
  2. . Correa MITD. Avaliação nutricional subjetiva. Ver Bras Nutr Clin 1998;13:68-73.
  3. Davidson HIM, Richardson R, Sutherland D, Garden OJ. Macronutrient preference, dietary intake, and substrate oxidation among stable cirrhotic patients. Hepatology 1999; 29:1380-6-6.
  4. Kondrup J,Muller MJ. Energy and protein requirements of patients with chronic liver disease. J Hepatolo 1997;27:239-47.
  5. Mahan KL, Escott-Stump S. Krause. Alimentos, nutrição e dietoterapia. 10a edição. São Paulo: Rocca; 2002.
  6. . McCullough AJ. Nutritional state and abnormal metabolismo f nutrients. The American Associa- tion for the study of the Liver Diseases. Postgraduate course: newer aspects on alcohol, nutrition and hepatic encephalopathy,1992; 204-44.
  7. Gottschall CBA, Álvares-da-Silva MR, Camargo ACR, Burtett RM e Silveira TR. Avaliação nutricional de pacientes com cirrose pelo vírus da hepatite C: a aplicação da calorimetria indireta.
  8. Raison C L et al. The association of fatigue with poor virologic response in patients receiving interferon alpha plus ribavirin for the treatment of hepatitis C. Abstract 1216. Abstracts of the 56th annual meeting of the American Association for the Study of Liver Diseases (56th AASLD). November 11-15, 2005. San Francisco, CA.
  9. Kimura F, Hayashi H, Yano M, Yoshioka K, Matsumura T, Fukuda T, Shigeto N, Yamahara S, Koushi F, Mishima Y, Yoshino T, Tanimoto M, Kimura I. - Additional effect of low iron diet on iron reduction therapy by phlebotomy for chronic hepatitis C. Hepatogastroenterology. 2005 Mar-Apr;52(62):563-6.
  10. Chen CM, et al. Alcohol and hepatitis C mortality among males and females in the United States: a life table analysis. Alcoholism: Clinical and Experimental Research , 2007; 31(2).

Dr. Dimas Carnaúba Júnior © Todos os direitos reservados
Desenvolvido por Rafael Tomaz © 2010